A ferramenta que você procurava para vender ainda mais

  (79) 3085-9590 (R. 8429)   contato@vfast.com.br

HomeConteúdo E-commerceNotíciasChina pede que gigantes da tecnologia parem de bloquear links de rivais

China pede que gigantes da tecnologia parem de bloquear links de rivais

Em um novo movimento regulatório, a China pediu aos seus gigantes da tecnologia que acabem com a longa prática de bloquear os links de concorrentes em seus sites ou enfrentem as consequências.

Os comentários, feitos pelo Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação (MIIT) em uma coletiva de imprensa, marcam o passo mais recente na ampla repressão regulatória de Pequim, que afetou setores que vão desde tecnologia à educação e propriedade e reduziu em bilhões de dólares o valor de mercado de algumas das maiores empresas do país.

A internet na China é dominada por um punhado de gigantes da tecnologia que historicamente bloquearam links e serviços de rivais em suas plataformas.

Restringir o acesso normal a links de internet sem um motivo adequado “afeta a experiência do usuário, prejudica os direitos dos usuários e perturba a ordem do mercado”, disse o porta-voz do MIIT, Zhao Zhiguo, acrescentando que o ministério recebeu denúncias e reclamações de usuários desde que lançou uma revisão das práticas do setor em julho. “No momento, estamos orientando empresas relevantes a realizar uma autoavaliação e retificação”, disse ele, citando as plataformas de mensagens instantâneas como uma das primeiras áreas em que se concentraram. Ele não especificou quais serão as consequências para as empresas que não cumprirem com as novas diretrizes.

O MIIT não citou nenhuma empresa, mas o jornal 21st Century Business Herald noticiou no sábado (11) que o Alibaba Group Holding e a Tencent Holdings estão entre as empresas que foram solicitadas na semana passada a encerrar essa prática sem prazo especificado.

A prática que o MIIT deseja corrigir é comum.

A Tencent disse que apoia a orientação do MIIT e fará as mudanças necessárias em fases. O Alibaba afirmou que cumprirá com os requisitos do MIIT e “espera encontrar terreno comum com outras plataformas”.

Leia também: O que a China quer com ofensiva contra gigantes de tecnologia do próprio país

Fonte: Reuters, via Money Times



Fonte feed: E-commerce Brasil