A ferramenta que você procurava para vender ainda mais

  (79) 3085-9590 (R. 8429)   contato@vfast.com.br

HomeConteúdo E-commerceNotíciasos entregadores da China no limite

os entregadores da China no limite

Entregando uma refeição bem quente exatamente na hora prometida, o entregador de comida chinês Zhuang Zhenhua triunfantemente considerou seu trabalho completo por meio do aplicativo Meituan — e foi imediatamente multado em metade de seus ganhos.

Uma falha significou que ele foi registrado incorretamente como atrasado e ele incorreu em uma penalidade automática — uma das muitas maneiras, disse ele, de as empresas de entrega explorarem milhões de trabalhadores, mesmo com o boom do setor.

As autoridades lançaram uma repressão exigindo que empresas, incluindo Meituan e Ele.me, do Alibaba, garantam proteções trabalhistas básicas, como compensação adequada, seguro, bem como algoritmos de combate que efetivamente incentivam a direção perigosa.

Mas mais de uma dúzia de motoristas disseram à AFP que houve poucas mudanças no local.

Frequentemente, a única maneira de concluir os pedidos a tempo é “ir muito rápido … ultrapassar os semáforos vermelhos, dirigir do lado errado da estrada”, disse Zhuang.

“No início (o aplicativo alocava) 40 a 50 minutos para concluir um pedido — agora, para um pedido dentro de uma distância de 2 km, com a mesma distância e tempo de antes, temos 30 minutos”, explicou.

A pandemia do coronavírus e os bloqueios resultantes aumentaram a demanda por serviços de entrega de refeições: o setor agora vale 664 bilhões de yuans (US$ 100 bilhões), de acordo com um relatório da China Hospitality Association.

Os competitivos serviços baseados em aplicativos do país se expandiram para quase todos os aspectos da vida moderna, com consumidores com experiência digital acostumados a serviços instantâneos e entrega rápida devido a um fluxo imediato de mão de obra barata.

Mas depois de anos de crescimento irrestrito, a Big Tech da China está sendo atacada por Pequim, com Tencent, Didi e Meituan todos visados ​​por regras antimonopólio.

No início deste ano, o Alibaba foi multado em um recorde de US$ 2,8 bilhões depois que uma investigação descobriu que ele havia abusado de sua posição dominante no mercado.

Vida em risco na China

Há uma preocupação crescente do público com a quantidade de dados manipulados por aplicativos populares, incluindo plataformas de entrega de alimentos, e as autoridades chinesas instruíram o cão de guarda do ciberespaço a observar como os algoritmos são usados ​​por conglomerados de tecnologia.

Os prazos de entrega reduzidos também causaram mais acidentes nos últimos anos, em meio a promessas de atendimento rápido.

Globalmente, o setor está enfrentando escrutínio sobre o tratamento que dispensa aos trabalhadores autônomos, que têm salários baixos, poucos direitos trabalhistas e muitas vezes são contratados por agências para evitar o fornecimento de benefícios.

A gigantesca economia da China agora responde por quase um quarto de sua força de trabalho — 200 milhões de pessoas têm “empregos flexíveis”, de acordo com dados do governo.

A situação da entrega de comida e dos motoristas de caminhão chamou a atenção do público depois que uma pequena compensação foi oferecida à família de um mensageiro que morreu entregando refeições para Ele.me em Pequim, e um segundo se incendiou em uma disputa com a empresa sobre o pagamento.

Apesar de ser considerado um serviço essencial, principalmente no auge da pandemia, os motoristas ganham em média apenas 7.700 yuans por mês.

Zhuang disse que muitos acham que estão colocando suas vidas em risco por causa de algoritmos usados ​​por aplicativos para determinar a rota e o tempo de viagem permitido antes que os motoristas incorram em uma multa por “atraso na entrega”.

Outro entregador, que se identificou como Liu, disse à AFP que o tempo de entrega alocado inclui o tempo que leva para a comida ser preparada, algo fora de seu controle, mas que pode impactar em seu salário.

“Se houver atrasos, os passageiros assumem a culpa”, disse o empresário de 40 anos, acrescentando que o sistema dificultava a rejeição de pedidos de comerciantes lentos.

“É inútil reclamar”, disse o entregador Chen Mingqiang, de 50 anos.

‘Ninguém quer pagar’

A Meituan, que tem mais de 628 milhões de usuários, disse que calcula o tempo necessário para uma viagem de quatro maneiras, aloca o mais longo entre essas opções e inclui um buffer.

Em um comunicado por escrito, a empresa insistiu que tais decisões foram tomadas “considerando a segurança do passageiro como a primeira prioridade, e também para satisfazer as necessidades dos consumidores” e que os motoristas poderiam contestar multas injustas.

No mês passado, depois que o órgão regulador do ciberespaço da China delineou planos para controles mais rígidos sobre as empresas de tecnologia, a Meituan disse que otimizaria sua “estratégia de algoritmo” e distribuiria licenças maiores para ajudar os mensageiros a evitar condições perigosas de trabalho.

Kendra Schaefer, da consultoria Trivium, sediada em Pequim, disse que a falta de transparência sobre como as plataformas foram codificadas para determinar os requisitos e a compensação dos motoristas é um problema sério.

“O objetivo de um algoritmo é maximizar a eficiência, infelizmente, conforme constatamos, à medida que a sociedade se moderniza, os algoritmos maximizam a eficiência às custas dos humanos”, disse ela.

“Todo mundo quer que os motoristas sejam melhor tratados, mas ninguém quer pagar por isso.”

O setor depende muito de trabalhadores migrantes — que muitas vezes são pouco qualificados e vêm das províncias rurais para as cidades na esperança de ganhar dinheiro.

Para muitos, existem poucas alternativas de emprego.

Zhuang admitiu: “Se eu pudesse escolher, definitivamente não trabalharia como motorista de entrega. É um trabalho perigoso, de alto risco. ”

Leia também: Magazine Luiza quer reduzir estoque excessivo de mercadoria após surpresa no 3º trimestre

Fonte: AFP, via Hong Kong Free Press



Fonte feed: E-commerce Brasil